Portal do Beneficiário

22/11/2021 16:00

O lado arriscado da estética para a saúde do homem

Com o verão cada vez mais próximo, a busca por padrões estéticos aumenta e pode provocar o desejo de obter resultados mais rápidos. Entre os homens praticantes de esportes, como a musculação, a aplicação de testosterona é uma alternativa recorrente para ganho de massa muscular e aumento de performance. Mas essa ação traz diversos riscos à saúde da população masculina.

O uso indiscriminado do hormônio é capaz de causar efeitos colaterais graves e irreversíveis em diversas partes do organismo. Segundo o Dr. Fabio Moura, membro da Comissão de Endocrinologia do Exercício e Esporte da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), o coração, o fígado e a próstata podem ser seriamente afetados.

“O uso inadequado de testosterona aumenta o risco de infarto, AVC, trombose venosa profunda, diversos tipos de lesão hepática, diferentes tipos de lesão renal e o aparecimento de tumores. O aumento do risco relativo para essas complicações, comparado entre quem nunca usou e quem faz uso, varia de 2,5 a 6 vezes”, alerta.

De acordo com uma nota divulgada pela SBEM, outro perigo associado à prática é a Policitemia, uma doença caracterizada pelo aumento na quantidade de hemácias, que torna o sangue mais viscoso e dificulta sua passagem pelos vasos sanguíneos. Sem o devido controle, esse quadro pode ocasionar dores de cabeça, tontura e até mesmo trombose e infarto.

VEJA OUTROS EFEITOS COLATERAIS CONHECIDOS:

- Acne e maior oleosidade da pele
- Edemas
- Infertilidade
- Inflamação e pus no local da aplicação
- Ginecomastia
- Piora dos roncos e sonolência para quem tem apneia
- Retenção urinária para pessoas com hipertrofia prostática
- Supressão transitória ou definitiva da função testicular com a parada da produção de testosterona endógena e necessidade de reposição hormonal.

EXCEÇÕES

O uso de testosterona está aprovado no Brasil, mas tem indicações precisas e somente o médico tem competência técnica para avaliar cada caso e indicar ou não a reposição hormonal. “É imprescindível monitorar o hemograma, que pode aumentar muito durante a terapia e elevar o risco de eventos cardiovasculares. Também é necessário observar o PSA, uma proteína presente na próstata, que é estimulada durante o uso de testosterona e pode crescer, além de realizar avaliações da função renal e do fígado”, recomenda o especialista.

ALTERNATIVAS SAUDÁVEIS

Para que a classe masculina não recorra ao uso da testosterona sem necessidade e garanta uma melhor qualidade de vida, o endocrinologista dá algumas dicas. “Pratique exercício físico ao menos 3 vezes por semana, mantenha uma alimentação saudável rica em verduras, legumes, oleaginosas, proteínas magras e gorduras boas, durma de sete a oito horas por dia e mantenha boas relações sociais”, afirma.

Aos homens acima de 45 anos, a recomendação é que procurem o médico que coordena seus cuidados para uma avaliação da saúde e realização do exame físico da próstata. A prevenção é a melhor maneira de manter a saúde em dia.

Ver todas as notícias
Whatsapp